Fundação Cargill financia organizações que atuam com transformação por meio da cadeia da alimentação

25 08 2016

Fundação Cargill

Organizações da sociedade civil que desenvolvem projetos voltados para a transformação social e geração de valor na cadeia da alimentação, poderão inscrever projetos para pleitear apoio da Fundação Cargill ao longo do próximo ano. Cada projeto poderá receber até 100 mil reais.

 

Conforme o Edital 2017, lido pela ABCR, podem se inscrever organizações sem fins lucrativos, com sede em uma das 23 cidades onde a Cargill está presente ou em municípios do entorno. Os projetos devem ser executados integralmente ao longo de 2017 e poderão receber até 100 mil reais cada.

Os projetos inscritos devem propor soluções para pelo menos um dos seguintes desafios: desenvolvimento da agricultura familiar; combate ao desperdício de alimentos; promoção da educação alimentar; e empreendedorismo na cadeia de valor da alimentação.

As inscrições devem ser feitas  até o dia 30 de setembro por meio do portal: http://cargill.sociall.com.br/.

Clique aqui para acessar o edital completo.

Via: ABCR





Fórum Captação de Recursos

24 06 2016

correios

Atenção Captadores e afins! 

Hoje mando uma dica especial para os moradores de São Paulo, porque Os Correios promoverá no dia 28 de Junho um evento gratuito, O Fórum Captação de Recursos.

O principal objetivo desse evento será alinhar as diretrizes dos proponentes e dos patrocínadores, pois existe uma lacuna entre os projetos e a forma de apresentá-los.

Contam com a participação de Filipe Ribeiro Dantas, da Sistêmica Comunicação que fala sobre “O Poder da Mala Direta” e a segunda palestra por Fauzi Toute dos Correios, com o tema “A primeira impressão é a que fica” – a importância da mídia off-line na captação de recursos. 

Vamos aproveitar essa oportunidade para compreender melhor esse grande desafio que é a captação de recursos.

As inscrições são gratuitas e devem ser feitas pelo email gesuvsaoc@correios.com.br

Detalhes:

Evento: Fórum Captação de Recursos

Data: 28 de junho de 2016

Horário: A partir das 8h30

Onde: Espaço Federal (Av. Paulista, 1176 – 11º Andar)

Nos vemos lá?

Um abraço,

Marcelo Azevedo





Quais são as principais dificuldades para captar patrocínio?

16 06 2016

happy hour network

Queridos amigos e participantes desse blog, Boa tarde!

Tenho recebido muitos emails e mensagens sobre algumas dificuldades de gerir e captar patrocínio para projetos nos seus diversos segmentos: Cultural, Esportivo, Social e Negócios.

Gostaria de aproveitar essa onda para fazer uma pequena pesquisa para compreender quais são as principais dificuldades enfrentadas, desde a elaboração do projeto até a captação de patrocínio.

Esse será um material rico para um Happy Hour (SP – Capital) que agendaremos para discutir informalmente essas questões.

Existem grandes empresas (PATROCINADORES) interessadas em saber sobre essas questões que será tópico para um projeto maior, que contarei para vocês no decorrer das semanas.

Encaminhe seu comentário para marceloazevedo@ymail.com (Ymail mesmo)

  • Empresa
  • Nome
  • Cargo
  • Fone
  • Email
  • Comentários

Faça parte desse grupo e vamos criar um ambiente colaborativo para conseguirmos maior proximidade de acordo com as necessidades e atributos dos nossos possíveis patrocínadores.

Um abraço,

Marcelo Azevedo

 

 

 





Patrocínio & Diversidade

18 02 2016

Nike retira patrocínio de boxeador que fez declarações homofóbicas

A matéria retrata uma realidade atual que não só as grandes empresas, mas até empresas de médio e pequeno porte estão mais atentas sobre o tema: DIVERSIDADE.

Nas pautas dos CEOs esse um item de prioridade não só pela questão da valorização do capital humano, mas também pela mudança de mind set de uma organização que apoia a diversidade, pode agregar mais valor à marca e ao negócio, ou seja, não somente uma visão de responsabilidade social.

Parabéns para Nike pelo recado, bem dado, para todos os outros atletas! Fica a dica: Diversidade & Respeito, ou então, perdeu patrocínio… NOCAUTE!

Boa Leitura,

Marcelo Azevedo

 

Pouco mais de uma semana depois da Adidas revelar uma alteração nos contratos de patrocínio, que incluem agora uma cláusula bastante amigável para quem é LGBT, foi a vez da Nike tomar uma atitude igualmente louvável no mesmo tema. A empresa rescindiu o contrato de patrocínio de um atleta após declarações homofóbicas dele.

O atleta em questão, se é que ele ainda merece esse título, é o boxeador filipino Manny Pacquiao, que disse em uma entrevista que gays eram “piores que animais”. Nike patrocinava o boxeador desde 2006 e rescindiu o contrato no dia seguinte às declarações, dizendo que “a Nike se opõe fortemente à discriminação de qualquer forma” e que “achamos os comentários de Manny detestáveis”.

Pacquiao, que no momento está disputando uma vaga no senado das Filipinas, até chegou a pedir desculpas pela comparação em um vídeo que publicou no Facebook. Mas no mesmo vídeo ele diz ser contra o casamento gay por causa da Bíblia, argumento esse que só me faz lembrar desta maravilhosa cena do seriado “The West Wing”.

A ação rápida da Nike com Pacquiao acaba também mandando um recado bem claro a todos os atletas que pensam em fazer declarações homofóbicas no futuro: apenas não.

Via: B9





Planejamento de Patrocínio para 2016

12 01 2016

Em épocas de recessão ou crise a palavra PATROCÍNIO se torna um alerta de perigo aos ouvidos dos executivos de marketing.

Acredito que a área de Telecom seja a grande culpada dos contatos tão turbulentos, porque algumas ligações que fiz no ano passado para prospectar novos clientes, quando eu dizia que se tratava de patrocínio a ligação misteriosamente caia. Não acredita? Pois falo muito sério!

O que fazer nesses casos? Mudei a estratégia e aboli a palavra patrocínio, já que na mente desses executivos de marketing, ela está relacionada à custos, gastos. Tudo que as empresas estavam correndo nesse momento de restrições, cortes e demissões em massa.

Em alguns casos deram certo, porque primeiramente falava sobre o projeto e principalmente sobre o retorno nos NEGÓCIOS, até porque outra coisa engraçada que percebi é que nesses momentos as empresas não pensam em ampliar a divulgação institucional, porque isso parece ser superficial. Serio mesmo ???

Tive a oportunidade de conversar com a ilustre Luiza Helena Trajano, presidente da Magazine Luiza e uma das coisas que mais me chamaram atenção é que mesmo em momentos de crise ela estava inaugurando lojas e investindo pesado em marketing e na sua força de vendas, para ela momentos de crise são ainda mais importantes para o crescimento e fortalecimento das empresas, enquanto todos se escondem, ela quer aparecer e vender!

Fazendo o planejamento de 2016 tenho certeza que não será um ano fácil, mas posso garantir que uma boa estratégia e um projeto bem desenhado, pode e deve chamar atenção do patrocinador. O principal foco deve ser o retorno do investimento do seu cliente, como foco no fortalecimento da marca diante seus concorrentes e principalmente ser um facilitador para o desenvolvimento de novos negócios.

Quero agradecer a audiência desse blog, pois em 2015 foram quase 100.000 visitas!

Espero que 2016 seja um ano de muito aprendizado, novas ideias para driblar a crise e muito sucesso para todos!

Faça parte do nosso grupo no Linkedin: Clique aqui

Um grande abraço,

Marcelo Azevedo





Patrocinadores da Diversidade e Inclusão!

29 07 2015

Logo FGDI pequeno

Grande parte das empresas no Brasil estão mais atentas sobre um tema que antes era visto apenas como Responsabilidade Social –  Diversidade e Inclusão. Esse é um assunto que demanda cuidado na abordagem porque falamos de alguns pilares importantes como:

  • Cultura;
  • Raça e Etnia;
  • Gerações (Y e reintegração de idosos);
  • LGBT;
  • Religião;
  • Pessoas com Deficiência – visual, mental, motora e auditiva;
  • Gênero;

Existem também empresas que estão apenas preocupadas em cumprir a Lei de Cotas para Pessoas com Deficiência e geralmente nesses casos, é quando acontecem os maiores problemas, porque esses profissionais são recebidos sem preparo e surgem questões como a falta de acessibilidade, plano de carreira e gestão inclusiva.

Tive a oportunidade de me reunir com mais de 40 Vice-Presidentes e Diretores de Recursos Humanos das maiores empresas do país e pude perceber que a grande parte está mais interessada em desenvolver ações e programas inclusivos nos seus diversos pilares.

Esse é um grande desafio para as corporações porque os CEOs estão percebendo que esse tipo de ação pode gerar um ótimo resultado, principalmente em questões como:

  • Melhoria dos indicadores em inovação e criatividade na sua organização;
  • Mudanças nas relações interpessoais com ganho na visão dos líderes/gestores, motivação dos colaboradores e melhora do clima organizacional;
  • Saúde organizacional – o impacto positivo no desempenho da empresa;

E ai você me pergunta o que esse tema tem a ver com marketing ou patrocínio?

Tudo a ver!

Isso porque já existem estudos globais que foram desenvolvidos por consultorias que comprovam que empresas engajadas com esse tema, demonstram a Valorização do Capital Humano se destacam e agregam valor à marca na visão dos colaboradores, clientes e fornecedores.

Essa é uma consequência natural para um processo que anteriormente só era valorizado para programas de Responsabilidade Social ou Sustentabilidade onde as empresas perceberam que esse tipo de atuação se tornou um diferencial competitivo diante de um cenário tão acirrado.

Para os profissionais de marketing é cada vez mais importante fazer o link de maneira natural para que esses atributos sejam absorvidos no posicionamento e na imagem das empresas. Porém, infelizmente grande parte dos profissionais ainda não perceberam esse tema como item estratégico em seus planejamentos. Tentei contato com algumas empresas para apresentar o projeto e muitas não deram a menor importância e diziam que não atuavam com esse tema, ou não era de interesse. Mas tudo é questão de tempo e de mudança cultural. Quem sair na frente, com certeza terá os melhores resultados.

Foi ótimo perceber que em outras empresas como IBM, Accenture, Monsanto, Furnas, Dow Química, Magazine Luiza, Natura, TozziniFreire Advogados, Carrefour, Egalitê e Serasa Experian esses programas já fazem parte da estratégia de RH e estarão reunidas para promover a discussão de boas práticas e como minimizar o impacto das barreiras atitudinais no dia a dia e nos programas de diversidade e inclusão.

Tive o prazer de desenvolver a captação de patrocínio para este evento que irá reunir os principais Vice-Presidentes, Diretores e Gerentes de Recursos Humanos, Responsabilidade Social, Sustentabilidade e Diversidade nos dias 04 e 05 de Agosto no Golden Tulip Paulista Plaza – SP.

Para conhecer melhor essa iniciativa, basta clicar aqui.

Tenho certeza que esse tipo de programa mobiliza os profissionais e as empresas para um ambiente mais inclusivo e diverso! E espero que cada vez mais empresas encorporem essa causa em seu DNA.

Um abraço e Sucesso!

Marcelo Azevedo





Caixa Abre Seleção de Projetos Culturais para 2016

9 06 2015

A Caixa Econômica Federal abre, nesta segunda-feira (8), inscrições para a seleção de projetos culturais, que serão realizados em 2016. O prazo de inscrição de projetos termina no dia 21 de julho, às 17h (horário de Brasília), e os interessados poderão inscrever seus projetos em dois programas culturais da Caixa: Ocupação dos Espaços da Caixa Cultural e Apoio a Festivais de Teatro e Dança.

Todas as informações necessárias à participação nos programas estarão disponíveis nos regulamentos, publicados no sítio http://www.programasculturaiscaixa.com.br As inscrições serão feitas exclusivamente por meio de formulário eletrônico e somente as inscrições preenchidas corretamente serão acatadas. Não serão aceitos projetos enviados por quaisquer outros meios.

As dúvidas relacionadas aos programas deverão ser encaminhadas à Caixa por meio da ferramenta Fale Conosco, disponível no sítio de inscrição.

Programas Culturais da CAIXA:

O Programa de Ocupação dos Espaços da Caixa Cultural vai selecionar projetos para compor a programação em Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, no período compreendido entre os meses de março de 2016 e fevereiro de 2017, podendo ser estendido até fevereiro de 2018, em caso de projetos itinerantes (realizados em mais de uma Unidade). O valor máximo de patrocínio, por cidade solicitada, é de R$ 300 mil. Cada proponente pode apresentar até dez projetos, podendo cada um ser realizado em uma ou mais cidades com Caixa Cultural.

Serão aceitos projetos de artes visuais (fotografia, escultura, pintura, gravura, desenho, instalação, videoinstalação, intervenção e novas tecnologias ou performances); teatro (contemporâneo, físico, circo-teatro, performance de palco, etc.); dança (contemporânea, clássica, dança-teatro, etc.); música e cinema. Poderão ser apresentados ainda, projetos para palestras, encontros, cursos, oficinas e lançamento de livros.

O Programa Caixa de Apoio a Festivais de Teatro e Dança selecionará projetos de festivais em todo o território nacional, a serem realizados no período de janeiro a dezembro de 2016. O valor máximo concedido será de R$ 200 mil. Serão considerados somente os festivais que contemplem a partir de cinco companhias ou grupos de teatro/dança participantes, e que tenham, no mínimo, dez espetáculos distintos, além de palestras, oficinas e cursos.

via: Brasil Cultura








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 686 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: